Scania500K

ARTIGO: Trem x caminhão: quais os riscos na passagem de nível

Pinterest LinkedIn Tumblr +
Consorcio-Fenatran2024

Em dezembro, houve dois acidentes do tipo no Brasil, um no Paraná, outro no Piauí

Autor: Rubem Penteado de Melo

Nos Estados Unidos, mais de 2 mil colisões ocorreram em passagens de nível de rodovias-ferrovias em 2015, resultando em 244 mortes e 967 feridos. Aproximadamente 500 dessas colisões anuais envolvem veículos comerciais, incluindo grandes conjuntos de veículos de carga.

Fonte: Heavy Truck and Bus Traversability at Highway-Rail Grade Crossings, University of Nebraska-Lincoln (UNL)

A extensão da malha ferroviária americana tem impacto nesses números absolutos quando comparados com os brasileiros. Mas as medidas preventivas adotadas no exterior tiveram resultados que podem ser repetidos em outras partes do mundo, como o Brasil.

Certamente, a imprudência, a falta de atenção dos motoristas e, por vezes, até falhas mecânicas dos veículos acabam provocando a colisão lateral: sempre um acidente grave em função da inércia da composição ferroviária.

Acidentes no Brasil

Em dezembro, ocorreram dois acidentes típicos no Brasil. Um deles chamou a atenção: uma prancha ficou “presa” nos trilhos na passagem de nível e foi abalroada pelo trem. Foi dia13, em Ortigueira (PR). Um acidente de alto potencial que merece uma análise técnica mais detalhada. Afinal, por que uma prancha, particularmente a rebaixada, pode “enroscar” nos trilhos?

Acidente 13 de dezembro, em Ortigueira (PR)

A resposta é: porque são veículos especiais com vão livre pequeno e com entre-eixos longo, fatores que podem torná-los incompatíveis com a geometria da passagem de nível.

 

Sim, existem regras que limitam a inclinação das rampas para a passagem dos veículos pelos trilhos: 3% de inclinação máxima. Certamente, para veículos convencionais o limite é plenamente adequado. Mas, para uma prancha como a da foto acima, ela é incompatível. Por quê?

Crédito: Heavy Truck and Bus Traversability at Highway-Rail Grade Crossings, University of Nebraska-Lincoln (UNL)

Simples: porque não basta controlar apenas o parâmetro do greide da passagem!

É preciso considerar o entre-eixos do conjunto. Mesmo com o ângulo dentro dos 3%, entre-eixos maiores geram alturas maiores na passagem. Se essa altura se igualar ao vão livre no centro da prancha, bingo – haverá interferência e a prancha poderá ficar completamente imobilizada sobre os trilhos até que ocorra a colisão lateral com o trem.

Crédito: Eng. Rubem Penteado de Melo

Além da geometria, aspectos dinâmicos podem ser decisivos: ângulo e velocidade da transposição, transferência do peso entre os conjuntos de eixos, que provocam inclinações adicionais, colaborando para a interferência com os trilhos.

Crédito: The News Enterprise

Crédito: The News Enterprise

Veículos especiais requerem cuidados especiais. Em muitos casos, o ângulo seguro é menor que 2%. Cada conjunto desse tipo exige uma análise prévia para o cálculo do ângulo possível nas passagens de nível em função do seu entre-eixo e do vão livre.

Assim, é absolutamente necessário que os motoristas tenham acesso a um gerenciamento de risco completo e personalizado. E para isso, o rotograma do ANJO S-TRACK é a solução mais atualizada do mercado. O dispositivo analisa essas questões de forma científica e em tempo real, com base na geometria da via, mas também das especificações do veículo e do tipo de carga transportada.

Sem conhecimento, não é possível zerar acidentes.

Veja acidente ocorrido dia 10 no Piauí, que causou a morte de uma pessoa.

 

 

 

 

Truckscontrol
Compartilhar

Deixe um comentário