VWCO Agrishow

Pista da BR-040 é mais estreita que caminhão

Pinterest LinkedIn Tumblr +
Consorcio-Fenatran2024

O caminhoneiro Wellington Márcio da Torre alerta para o estado de rodovias em território mineiro

Trafegar pela BR-040 é uma aventura, principalmente no trecho entre Belo Horizonte e Juiz de Fora. Quem alerta é o mineiro Wellington Marcio da Torre, caminhoneiro de Contagem, um dos leitores mais assíduos da Revista Carga Pesada.

“A rodovia já deveria estar toda duplicada, mas fizeram uma terceira pista, na verdade, uma gambiarra entre BH e Juiz de Fora, que não comporta a largura de um caminhão”, denuncia.

O veículo de carga que transita por essa terceira pista, de acordo com ele, está sempre com as rodas da esquerda sobre a faixa. Ele não se conforma com o fato de a 040 estar sob concessão. “O pedágio está extremamente caro. Até quando teremos de suportar isso?”, questiona.

E não é só na 040 que motoristas se arriscam em Minas Gerais. As BRs 381/262, segundo Torre, estão “extremamente ruim”. Sempre que possível, ele evita passar pelas estradas. “Esses dias, voltando do Mato Grosso, eu resolvi vir por Goiás. Passando por Lagoa Santa, sentido a Uberlândia, eu evitei parte do pior trecho da 262, que é de Campos Altos a Uberaba”, conta.

A BR tem outros trechos muito perigosos.  “Indo para o Espírito Santo, ainda na parte mineira, existem crateras que podem causar acidentes graves. Passar pelos sete quilômetros dentro de Manhuaçu leva, no mínimo, uns 30 minutos. Isso sendo bastante otimista.”

Por esse motivo, às vezes o caminhoneiro de Contagem recusa serviços por aqueles lados. “Além do risco de quebra do caminhão, ainda podemos sofrer acidentes graves”, conta.

Torre afirma que a parte capixaba da rodovia federal está em situação muito melhor. “Não entendo como isso pode acontecer”, declara.

Segundo o jornal O Estado de Minas, desde 2013 foram feitas cinco tentativas de licitação do trecho de BH a João Monlevade, mas ninguém se interessou em investir na pista.

A reportagem tentou ouvir o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT) e a Concessionária Via 40 sobre a situação das pistas, mas não obteve retorno dos pedidos de entrevistas.

 

 

Truckscontrol
Compartilhar

1 comentário

  1. O mais triste de tudo isso é saber que esta reportagem foi feita antes da temporada de chuvas, agora está em situação de calamidade!
    As estradas mineiras em quase a totalidade a situação é a mesma, tanto federais quanto estaduais.
    Parece que nosso políticos só viajam de helicóptero, ou avião,, pois não saber da situação das estradas que cortam nosso estado e deixar tudo acabar!
    Fez-me lembrar do primeiro governo do FHC onde as estradas brasileiras acabaram por quase a totalidade, naquela época eu fiz o trajeto de Mineiros a Uberlândia e gastei quase 15 horas pra fazer o trajeto de +-600 quilômetros.
    Tudo foi planejado para alegar que o estado não tinha condições de cuidar das estradas e logo depois vieram a privatizações!
    Em dezembro de 2022 levei uma carga pra cidade de Brumado BA, e deu pra perceber que estados com menor arrecadação que MG tem as estradas em condições extremamente melhores que as de Minas.
    Trafegando de BH á Urandir que é a primeira cidade baiana, o piso muda completamente se se torna mais seguro em boas condições.
    Na BR-262 sentido triangulo mineiro existem danos na estradas que foram causados pelas chuvas de 2021 e até hoje não fizeram o reparo totalmente!
    Em fim, a quem recorremos?

Deixe um comentário